terça-feira, 26 de novembro de 2019

Pistas de aulas prática

Juliana Padilha fala com instrutores de Limeira
A equipe da revista Moto Escola está viajando pelo Estado de São Paulo divulgando o Concurso Cultural Instrutor Nota 10. Além de falar com instrutores e alunos sobre a premiação, o pessoal da revista ainda conhece as pistas de várias cidades e registra em fotos e filma os lugares por onde passaram.
 No futuro publicaremos uma grande matéria sobre o tema já que algumas pistas são exemplares enquanto outras são uma vergonha.
Confira em www.instrutornota10.com.br para conhecer melhor o Concurso e também participar dessa promoção inédita no Brasil que premiará os melhor alunos e instrutores das moto escolas de São Paulo.

Concorra grátis a um capacete

Você que mora no estado de São Paulo, está tirando sua "carta de moto" ou tirou há pouco tempo, pode ganhar um capacete ou até receber o valor de sua CNH Categoria "A".
Para concorrer basta se inscrever no site www.instrutornota10.com.br, seguir todos os passos e fazer uma frase bem bacana dizendo prá gente como a moto vai melhor sua vida.
Serão dez ganhadores dos capacetes e mais dois ganharão R$ 1.500 para pagar as despesas com a sua CNH de moto.
Vamos lá! É grátis e as inscrições acabam no dia 31 de dezembro. O concurso é promovido pela revista Moto Escola e tem o apoio do Sindautoescola e da Honda. Boa sorte!!!

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Ele é fundamental

O instrutor sabe das coisas e tem que transmitir ao alunos dicas para um trânsito melhor
Dezesseis de outubro é de extrema importância para o trânsito brasileiro, pois é comemorado o Dia do Instrutor.  O profissional que tem a missão de transmitir conhecimentos para o futuro motorista ou motociclista.
Para mostrar a importância dessa data, a Revista Moto Escola, organiza o Concurso Cultural Instrutor Nota 10. A intenção é descobrir quem são os melhores instrutores do Estado de São Paulo e premiá-los com dinheiro ou uma motocicleta Honda CG 160 “Zero KM”.
Para isso a revista conta com o apoio do Sindautoescola-SP e também da Honda, sem eles seria impossível organizar um concurso desse porte que também é inédito no País.
Para participar basta entrar no site www.instrutornota10.com.br e seguir as instruções. É fácil e rápido, só depende de você.
Os alunos também podem concorrer a prêmios no valor da sua CNH (Categoria “A”) e mais dez capacetes.
Além de oferecer prêmios, o concurso mostra o reconhecimento desse profissional que trabalha de sol a sol e nem sempre em condições ideais.
Basta circular pelos locais de aulas práticas de motocicletas para conferir a precariedade das pistas improvisadas, sem sombra, água ou um banheiro.
Bem, mas agora não é hora de reclamar e sim de arregaçar as mangas e trabalhar em busca de um trânsito melhor.
Há, se você é dono ou diretor de Moto Escola, insista para que os seus instrutores participem, pois a sua moto escola também poderá ganhar uma moto.

quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Você pode ganhar uma moto ou a sua CNH de graça


Organizado pela Revista Moto Escola, o Concurso Cultural Instrutor Nota 10 irá incentivar e premiar os bons profissionais e alunos

Já estão abertas as inscrições para o Concurso Cultural Instrutor Nota 10. Realizado pela Revista Moto Escola, o concurso premiará cinco instrutores de moto escolas credenciados pelo Detran-SP. Estes profissionais poderão ganhar entre R$ 1.000 e R$ 4.000. Já o primeiro colocado, ou seja, o melhor instrutor de moto escola do Estado de São Paulo, vai levar para casa uma Honda CG 160 Fan, avaliada em R$ 9.990, e documentada. A ação tem o apoio do Sindicato das Auto Moto Escolas e CFC do Estado de São Paulo (Sindautoescola-SP) e da Moto Honda da Amazônia.
O Concurso Cultural Instrutor Nota 10 faz parte das comemorações do Dia do Instrutor de Trânsito – 16 de outubro. Somente no Estado de São Paulo, existem 21 mil instrutores credenciados para ministrar aulas práticas e teóricas em carros e motocicletas. Profissionais fundamentais para a formação dos futuros motoristas e motociclistas.

Como concorrer
Para concorrer, os instrutores devem acessar o site www.instrutornota10.com.br. Após preencher o formulário e aceitar o regulamento, o candidato deverá assistir a cinco vídeos de treinamento relacionados a segurança e manutenção. Depois de responder a um Quiz com perguntas ligadas aos assuntos, deverá escrever uma frase com o tema: “Como o instrutor pode construir um trânsito melhor”.
Da primeira fase sairão cinco finalistas, entre aqueles que acertaram as respostas e criaram as frases mais originais. Os selecionados participarão de provas práticas sob supervisão da banca examinadora formada por instrutores do Centro Educacional de Trânsito Honda (CETH). As provas teórica e prática serão realizadas na sede do CETH, que fica em Indaiatuba (SP).
Lá, os candidatos mostrarão suas habilidades na condução da motocicleta e também sua didática na transmissão do conhecimento aos alunos. Entre os cinco candidatos, aquele que obter a maior pontuação será declarado Instrutor Nota 10 – 2019 e ganhará a moto zero-quilômetro. A moto escola que o emprega também ganhará uma Honda CG 160 Fan como forma de reconhecimento. O quinto colocado receberá R$ 1.000; o quarto, R$ 2.000; o terceiro, R$ 3.000, e o segundo colocado, R$ 4.000.
Os alunos também podem ganhar
Os alunos das mais de 3 mil moto escolas do Estado de São Paulo também podem concorrer a prêmios de R$ 1.500 (valor referente ao custo de emissão da CNH – Categoria “A”) e capacetes. Para participar, basta preencher o formulário indicando sua moto escola e aceitando o regulamento. Depois, é só assistir aos filmes e responder as questões. Para terminar, é preciso escrever uma frase com o tema “Como a motocicleta vai melhorar minha vida”. A comissão organizadora escolherá as duas melhores frases mais originais e criativas, entre os candidatos que acertaram as cinco perguntas. Doze alunos serão contemplados, dos quais dois receberão R$ 1.500, e os outros dez ganharão capacetes Honda.
O Concurso Cultural acontecerá nos meses de outubro e novembro – as inscrições se encerram em 30 de novembro – e a grande final será realizada em 13 de dezembro, com a divulgação dos vencedores em 17 de dezembro no site do concurso e nas mídias sociais.

terça-feira, 24 de setembro de 2019

Um incentivo para os instrutores e alunos



Ninguém nasceu sabendo andar de motos e muitos já dependeram dos instrutores das motos escolas para aprender a dominar o veículo. Basta uma passada rápida nos locais de treinamento prático para sentir no ar o clima de ansiedade e, ao mesmo tempo, alegria ao conseguir andar pela primeira vez com uma moto.
Conversando com alguns instrutores ficamos sabendo que, além de ensinar os alunos a controlar os comandos, por vezes também é preciso acalmar os iniciantes.
Nessa situação o instrutor também faz o papel de psicólogo e ajuda o aluno a vencer seus medos, inseguranças e ansiedade. Uma palavra de incentivo é capaz de levantar o astral do aluno, aumentar sua confiança.

Dedicação aos alunos

Ficamos felizes que existem muitos instrutores que fazem esse papel e, em breve, teremos a oportunidade de conhecer e premiar os melhores instrutores do Estado de São Paulo.
A revista Moto Escola, com o apoio Sindicato das Auto Moto Escolas e Centros de Formação de Condutores no Estado de São Paulo e a Honda, promoverá um concurso cultural para saber quem é o Instrutor Nota 10 de São Paulo.
Os alunos também concorrem a capacetes e dois felizardos ganharão a CNH de graça, isso mesmo nós vamos pagar a sua carta de moto!!! 
Aguarde, em breve teremos novidades!!!!!

sexta-feira, 6 de setembro de 2019

Sabor de Minas em duas rodas


Ricardo e sua companheira de trabalho "ela não reclama, não me deixa na mão e gasta pouco combustível"
Não faltam exemplos de pessoas que usam a agilidade da motocicleta para garantir o sustento de sua família. Um deles é Ricardo Rodrigo Rocha de 39 anos, morador de Alvinópolis, bairro de Atibaia, distante 65 da capital. Com muita disposição e criatividade usa sua Honda Biz 125, ano 2016, para ganhar a vida e distribuir o sabor de Minas pela cidade.
Comunicativo, Ricardo tem uma rotina bem peculiar. Ele compra laticínios de Cambuí (MG) e comercializa em Atibaia. A viagem de pouco mais de 100 km é feita com sua pequena motoneta que volta abarrota da cidade mineira para atender aos restaurantes e moradores.

De boca em boca

Há sete anos Ricardo mantém essa rotina e já começa a colher os frutos do seu trabalho. "Faço um roteiro e atendo semanalmente os meus clientes, sempre no mesmo horário e no mesmo dia da semana, com isso já estou bastante conhecido e as pessoas já sabem da qualidade dos produtos".
Além do contato pessoal os clientes também falam com o Ricardo pelo seus whats (11) 99530-2311 para agilizar a compra. "Eu mando as fotos e descrições do produto, isso ajuda o cliente a decidir, faço a venda on-line e depois eu só tenho a preocupação de entregar".
A mobilidade da moto é o grande trunfo para o sucesso do Ricardo "a mobilidade é incrível, se falta algum produto, e eu tenho em casa, eu consigo buscar e entregar imediatamente", com o carro isso seria impossível, principalmente pelo custo do transporte.
Além de prática e econômica a moto ajuda a divulgar seu negócio "ela chama atenção por estar bastante carregada". Realmente a moto se destaca com o isopor dos queijos e os doces presos na lateral.

Conhecer o produto

"A mídia tornou o Canastra famoso"
Com grande variedade de produtos Ricardo se mostra um conhecedor. "A mídia forçou um pouco a venda do Canastra, por ter divulgado bastante esse tipo de queijo, mas vendo bastante o frescal por ser mais saudável", ele também trabalha com outras variedades como parmesão, provolone e ricota.
Chegando ao limite de capacidade de atendimento, Ricardo já começa a planejar uma forma de diversificar seu negócio. "Penso em montar um rede com outras motos fazendo visitas  em bairros distantes, mas sempre mantendo o meu padrão de atendimento e qualidade dos produtos.
"Eu costumo dizer que a pessoa sai de casa para comprar um remédio ou um bife para fazer o almoço, mas não tem o hábito de buscar um queijo para o seu café da manhã, não existe esse hábito. Por outro lado, ao passar na porta semanalmente e oferecer o produto ela consome". Ricardo aproveita a viagem e oferece as conservas, doces e biscoitos que também traz de Minas.
"Meu salário vem do queijo e da minha moto, graças a ela sustento meus três filhos, faço minhas entregas e levo minha renda para casa, assim consigo pagar minhas contas". Afirma Ricardo que trabalha com sua moto faça chuva ou faça sol, sempre com um sorriso no rosto.


terça-feira, 3 de setembro de 2019

Boa notícia, vendas de motos aumentam em quase 14%

A Honda CG 160 é a mais vendida do Brasil, em 2019 já foram emplacadas mais de 200 mil motos novas
O mês de setembro trouxe uma boa notícia para quem trabalha com motos - vendedores, instrutores de moto escolas, mecânicos, lojas de equipamentos, concessionárias etc... Os números divulgados pela Fenabrave (a entidade que reúne as distribuidoras) dão conta que foram emplacadas 708.871 motos "Zero KM" nos primeiros oito meses de 2019. Esse total mostra que houve um aumento de quase 14% em relação ao mesmo período de 2018 quando foram comercializadas 622.065 motos.
Entre as motos mais vendidas a Honda CG 160, com mais de 202.877 unidades comercializadas até o final de agosto, reina absoluta. Em segundo lugar vem a Honda Biz com 103.958 unidades enquanto a Bros 160 é a terceira mais emplacada com 78.837 motos vendidas.
Vale lembrar que cada moto dessa é uma oportunidade de venda de novos acessórios e equipamentos de segurança. O crescimento das vendas sempre é uma boa notícia e deve ser comemorada!

terça-feira, 23 de julho de 2019

Se liga no óleo para não "fritar" sua moto

O óleo lubrificante é fundamental para a “saúde” do motor da sua moto. Ele tem a função de diminuir o desgaste das peças e também auxilia na refrigeração do motor. O lubrificante cria uma camada que diminui o atrito entre componentes como as engrenagens, pistões, anéis e mancais, por exemplo. Por ser fundamental para a durabilidade do motor, os fabricantes dedicam um capítulo especial no Manual do Proprietário informando os cuidados e prazos de troca de óleo. Apesar disso, muitos proprietários não se preocupam e podem ser surpreendidos com sérios problemas no motor da moto. Veja como evitar prejuízos:

1 – Qual tipo de óleo

Fique atento às especificações do lubrificante indicada pelo fabricante da sua moto. A especificação determina a viscosidade e outras características do produto que são adequadas às necessidades do motor. A Honda CG 160, por exemplo, usa produto com especificação 10W-30. Não misture marcas e produtos com especificações diferentes e NUNCA use óleo de automóveis em motocicletas.

2 – De olho no nível

A verificação do nível do óleo deve ser feita com o motor aquecido e com a moto na posição vertical – para se certificar sobre como fazer a medição, consulte o manual do proprietário da sua motocicleta. Limpe a vareta medidora e a encaixe no bocal (sem rosquear). O nível do óleo deve estar entre as duas marcas. Ao completar o lubrificante não ultrapasse o limite máximo, pois o excesso de óleo também prejudica o bom funcionamento do motor.

3 – Quando trocar

Dependendo da marca e do modelo da moto, a troca pode ser obrigatória a cada 3.000 km ou até 10.000 km rodados. Mas, fique atento, pois óleo também tem data de validade, que costuma ser de  seis meses. Ou seja, mesmo que você não tenha atingido a quilometragem máxima, é preciso substituir o lubrificante, caso o prazo de validade tenha vencido. As informações sobre os intervalos de troca de ólee para cada modelo estão no Manual do Proprietário.
Mas é importante ressaltar que o motociclista deve estar atento ao nível do óleo e completar se necessário, porém sempre com o produto da mesma marca e especificações. Infelizmente, muita gente esquece de verificar o nível de óleo periodicamente. Outro erro comum é achar que só é necessário se preocupar com o lubrificante quando a moto atingir a quilometragem recomendada no Manual.

4 - Trocar com 1.000 km é bobagem?

Um hábito difundido pelos motociclistas profissionais e mecânicos é a necessidade da troca do lubrificante aos 1.000 km rodados. “Infelizmente, a péssima qualidade da nossa gasolina, pode contaminar o óleo o que pode ocasionar carbonização e outros problemas no moto”, relata o mecânico Renato Resende, da oficina Bike Trail, de Atibaia (SP). Segundo ele, a troca dentro do prazo estipulado pelo fabricante depende de um proprietário “extremamente cuidadoso com o nível do óleo e que só use combustível de ótima qualidade”.  Por conta desses riscos, muitos clientes preferem trocar o óleo a cada 1.000 km e nem se preocupam em verificar ou completar o lubrificante, informa o profissional.

5 – Filtro

Além de acompanhar o nível e o prazo de troca do lubrificante, é fundamental manter os filtros limpos ou substituí-los no prazo informado pelo fabricante. No caso da CG 160, o filtro é do tipo centrifugo que deve ser limpo a cada 12.000 km. Já as motos que usam filtros de óleo, como a Yamaha Fazer 250, a troca do filtro deve ser feita a cada 10.000 km.

quarta-feira, 17 de julho de 2019

Assumir culpa alheia pode dar cadeia

Jovem é detido ao tentar assumir, de forma irregular, pontos na CNH, reprodução Jornal do Vale
Quando algum veículo é multado existe a possibilidade de transferir a multa (e os pontos) para quem estava pilotando a moto ou dirigindo o carro. Porém, o que era para facilitar a vida do cidadão acabou virando uma forma de alguns "espertos" ganharem dinheiro. Eles cobram para receber os pontos e, assim, livram os verdadeiros infratores das multas, e ganham muito dinheiro.

O Detran de São Paulo está de olho nesse tipo de fraude e já detectou mais de 250 CNH´s suspeitas de "hospedar" pontos de motoristas. O órgão ainda lembra que a prática é irregular e, além das sanções administrativas, o responsável pode ser enquadrado no crime de falsidade ideológica, com pena de até cinco anos de prisão."O cidadão precisa saber que isso é crime e que todos serão punidos, de acordo com a lei”, disse Raul Vicentini, diretor de Habilitação do Detran.SP.

Para chegar aos fraudadores o Detran cruzou informações das multas. Em comunicado o Detran citou um exemplo de um "hospedeiro" que recebia R$ 500 para hospedar os pontos no seu prontuário, ele já acumulava mais de 3.315 pontos na sua CNH, informou o órgão de trânsito.

Os motoristas que usaram essa prática ilícita - ou seja, pagando para transferir seus pontos - terão as multas registradas em seus prontuários. O próximo passo é responder a processo, pois o caso será enviado a Polícia Civil. Casos assim são comuns, porém as autoridades estão apertando o cerco nesse tipo de atividade. Veja um exemplo em Rio Verde (GO) onde um motorista foi preso



terça-feira, 25 de junho de 2019

É fácil perder a garantia da sua moto

Além de não fazer as revisões no prazo determinado, outras ações permitem ao fabricante cancelar a garantia; conheça
Instalação de acessórios, lampadas especiais e alarmes pode comprometer a garantia da moto
Um dos principais atrativos ao comprar uma moto “zero quilômetro” é a garantia oferecida pelo fabricante. Graças a ela o consumidor está coberto em caso de problemas de fabricação ou peças defeituosas. Honda e Yamaha oferecem três anos de garantia, sem limite de quilometragem e, em alguns modelos como a XTZ 250 Lander ABS, a garantia chega a quatro anos.
Além da extensão da garantia, a quilometragem limite para realizar as revisões na concessionária também varia de modelo para modelo. A melhor fonte para se informar nesse caso é o Manual do Proprietário.
O Manual também informa as condições da garantia e os casos em que ela pode ser cancelada. Muita gente não sabe que, se a moto participar de competições, transportar peso excessivo ou mesmo receber determinados acessórios, a garantia pode não valer mais. Veja alguns exemplos de atitudes que podem fazer você perder a garantia da sua moto nova.

1 – Revisões no prazo

Para manter a garantia é obrigatório que os serviços (e revisões) sejam feitos nas concessionárias
A revisão por quilometragem percorrida pode ser 10% a mais ou a menos, ou seja: a revisão de 1.000 km pode ser feita aos 900 ou aos 1.100 km. Já a revisão de 6.000 km pode ser feita dos 5.400 km até os 6.600. Acima disso, a tolerância é de 600 km para todas as revisões. Além dos limites de quilometragem, o fabricante estipula prazo para as revisões. Muita gente faz a primeira revisão (de 1.000 km) e, como usa pouco sua moto, se esquece de fazer a revisão de 6.000 km no período estipulado. 
As tolerâncias são curtas e as concessionárias não têm a obrigação de avisar ao cliente que o prazo de revisão está chegando ao fim. Ou seja, fique atento, se perder o prazo perdeu a garantia. Alterar o hodômetro também é motivo para perder a garantia da sua moto.

2 – Disputar competições

Participar de competições ou fazer manobras ousadas com a moto também cancela a garantia da moto
Participar de competições ou demonstrações também cancela automaticamente a garantia da moto. Se o concessionário perceber, por meio de desgastes de componentes, que houve uma pilotagem excessivamente agressiva ou a prática de manobras do tipo wheeling ou RL, por exemplo, a garantia também pode ser cancelada. Transportar carga além do limite da moto ou puxar reboque também são motivos que cancelam a garantia.

3 - Fique longe da água

Contato com a água salgada pode danificar a moto e perder a garantia
Atravessar enchentes, alagamentos ou transitar pela praia podem causar problemas e deixam marcas na moto. Se a concessionária notar que a moto está com defeito por conta desse tipo de situação ou foi atacada pela maresia, por exposição à água salgada, a garantia também pode ser cancelada. O mesmo procedimento é adotado caso a moto seja lavada com jato de alta pressão ou com o uso de produtos químicos abrasivos.

4 – Rede credenciada

Todos os serviços mecânicos devem ser feitos na concessionária, por isso alguns parafusos são marcados para conferência posterior. Se as marcas estiverem violadas o fabricante cancela a garantia. Outro detalhe, se retirar a peça defeituosa e levar na concessionária a garantia também não terá mais validade. Em caso de defeito ou problema na moto nova, ela deve ser levada à concessionária. Não tente “fuçar” na sua moto, pelo menos enquanto ela for zero e estiver na garantia.

5 - Acessórios & bateria

Instalar acessórios como faróis de milha, lâmpada de LED e alarmes podem levar a perda de garantia da moto. No Manual da Yamaha, por exemplo, o fabricante alerta que até mesmo acessórios instalados na própria concessionária podem cancelar a garantia. Por falar em itens elétricos, a Honda informa que a bateria tem um ano de garantia, já a Yamaha oferece 90 dias para o mesmo componente.